29 de out de 2015

É difícil mas vale a pena

Depoimento de Girlane Uchôa, paciente da Central (Fortaleza/ CE)





(antes)




(antes)




(antes e durante)



(antes e durante)






(durante)




(durante)




(durante)



Operei há 9 meses atrás de Cirurgia Bariátrica.

Desde criança sempre fui muito gordinha, tentei de várias formas emagrecer por dietas, shake... até que funcionava, mas logo logo engordava tudo de volta e ainda o dobro!

Fiquei sabendo da bariátrica e fui logo correr atrás de todos os médicos, exames... Comecei pelo Dr. Eduardo (endocrinologista) onde fiz tudo e fui encaminhada para a cirurgia, mas quando cheguei no Hapvida (plano de saúde), por falta de informação, fui barrada, pois não tinha 2 anos de plano.

Quando completei 2 anos de plano, comecei todo o tratamento novamente e descobri que só tinha um médico operando o nosso plano-empresa e era um médico de salvador. Esse Anjo chamado Dr. Carlos Mello, da Central da Obesidade. 

Logo depois comecei a entrar em contato com uma pessoa, que me ajudou muito e é uma amor de pessoa, chamada Juliana Lima (atendimento do De Carlos).

Confesso que não foi fácil. Saí do emprego, tive problema de H. pylori , hipertensão, sangramento nasal ... mas não desisti da minha cirurgia.

Conheci muitas pessoas especias, como Dra. Débora Aguiar de Lima  e  Dra. Zely (psicólogas) e muitas outras pessoas.

No dia 26/12/2014, já com 157 kg, entrei no centro cirúrgico do hospital Antônio Prudente com a presença da minha mãe Rosa Uchoa.

Hoje, estou pesando 91 quilos.

Só tenho a agradecer à Deus, à Central da Obesidade, à minha mãe, à Magnum Maciell que sempre estiveram ao meu lado, me dando toda a força e apoio. À minha irmã Jack Faria, à minha sogra Cicera Maria e à
 minha irmã Iane Barbosa.  Quero deixar registrado meu muito obrigada à meu Gleison Uchôa, a meu pai, a Mônica Oliveira Maciel e a meu Gledson UchôaObrigada mesmo a todos! Amo vocês de coração!

Moral da história: É difícil mas vale a pena!

23 de out de 2015

De ex-obesa mórbida a borboleta

Depoimento de Jamile Marley, operada da Central (Salvador/ Bahia)










































Todo dia ao acordar, sempre no trabalho, comia 2 suculentos pães de queijo. 6 meses depois vou na balança e já pesava 100 kg. O que aconteceu? Eu pensava: será que foi pãozinho, hambúrguer, cachorro-quente da vida? Não tinha mais ânimo para sair, pois  conseguia usar calça legging e blusas tamanho extra GG.  Me desesperei, mas continuei a comer comer comer. Meses depois, fui na balança e já pesava 126 quilos!  Meu Deus! Não tinha mais ânimo para nada, vivia de aparência sorrindo, mas, por dentro, me sentia toda destruída. Me afastei das minhas amigas, de tudo.
Certo dia, vejo uma pessoa, um anjo enviado por Deus, Carla Catarine. Eu a vi magérrima e perguntei o que tinha acontecido. Ela me informou que tinha feito redução de estomago. Eu disse: não tenho dinheiro para isso. E ela então falou que o plano cobria. Abri um sorriso imenso, minha alma se iluminou naquele momento. E ela me indicou Dr. Carlos Augusto, o 2° anjo enviado por Deus.
Recebi informações do procedimento da cirurgia, recebi uma pasta com vários exames, fiquei radiante ao sair do consultório. Fui a uma igreja lá no Rio Vermelho agradecer a Deus por te me enviado esses 2°anjos. Porém quando cheguei em casa não disse nada a minha mãe, pois sabia que ela seria contra. Escondi por 6 meses. Mas um dia não aguentei e revelei para ela. E ela me disse: é com você, não vou interferir... 
Foi um sufoco para o plano de saúde liberar minhas consultas, minha cirurgia. Pensei até em desistir. Fui a uma missa, como de costume, todas as quartas-feiras, e o padre citou uma frase: "NUNCA DESISTA DOS SEUS PLANOS, IRMÃO. DEUS ESTÁ CUIDANDO DE TUDO". Aquilo ficou na minha cabeça. No outro dia mesmo marquei minhas consultas. 
Após entregar toda minha pasta para a Central da Obesidade fui informada que agora dependia do meu plano. Fiquei na expectativa, as vagas para operar estavam um pouco distantes, mas fiquei confiante. 
Na antevéspera da cirurgia, fiquei gripada e a cirurgia foi adiada até que eu melhorasse. No dia da cirurgia me lembro que eu acordei e vi aquela barriga inchada e pensei: meu deus, não fui operada, ainda estou muito gorda! kkkkkkkkkkkk 3 dias depois tive alta do hospital. 
Segui as dietas certinhas, tive uma leve queda de cabelo mas tudo dentro do esperado. 
Antes vestia 54 e extra GG, sapato 39 e pesava 126 kg. 
Hoje uso número P ou 38 a 40 (a depender da loja), calço 38 e peso 65 kg.
Eliminei 61 quilos! 
Tenho foco total nos meus horários de alimentação, saio com meu amigos, mas sempre levo minhas refeições. Completei 1 ano e 02 meses de cirurgia.
Estou muito feliz, uma menina realizada

14 de out de 2015

Livre, leve e solta!

Depoimento da paciente operada Elienilce Edvaldo (Fortaleza/CE)









































Antes da bariátrica, eu não sabia o que era um sono tranquilo, um salto alto (que eu sempre amei) e uma roupa bonita era impossível... Já tinha entregue os pontos, a alegria de viver já tinha acabado. O pior de tudo, no estágio cruel de obesidade, são os olhares críticos e preconceituosos das pessoas, que não entendem que isso é uma doença que precisa de tratamento. E como isso nos deixa psicologicamente um trapo, sem perspectiva alguma. 

Hoje, depois de 1 ano e 02 meses de operada, tendo eliminado 42 quilos me vejo uma nova mulher, linda e poderosa  :) melhor do que eu esperava!  

Claro que a cirurgia é apenas uma ferramenta para levar ao sucesso, não esquecendo os compromissos periódicos de acompanhamento e uma determinada mudança de hábitos. Em meio as dificuldades encontradas no pós-operatório, em momento algum me arrependi de tê-la feito, faria tudo outra vez! 

Se sentir livre, leve e solta e com saúde não tem preço... só o da determinação! E digo pra todos que se encontram presos a um corpo obeso que não é seu (porque não é mesmo) super indico a bariátrica como um ponta pé inicial para uma nova vida! Se tem algo a comparar com isso é a metamorfose da feia lagarta, presa a um casulo, para uma linda borboleta!  

11 de out de 2015

Guerra com a balança


Depoimento de Minnie Araújo, operada da Central (Lauro de Freitas/Bahia)





(antes)




(antes)




(durante)




(durante)




(durante)




(durante)




(durante)


Comecei a minha guerra com a balança desde os 11 anos de idade, quando entrei na puberdade e engordei alguns quilos que me acompanharam por toda a vida. Na escola sofria a pressão dos colegas com brincadeiras e apelidos e, em casa, a cobrança por ser "diferente" e não saber me controlar. Apelei então para as dietas milagrosas, que, acompanhadas de remédios manipulados para perda de peso, me transformavam na pessoa que eu idealizava. 

Consegui várias vezes emagrecer, mas era só parar com os remédios e recuperava tudo novamente e até mais. Minha saúde estava indo para o espaço, minha pressão oscilava, meu triglicérides tinha que ser controlado por remédios, minha coluna e joelhos me impediam de levar uma vida normal. Eu simplesmente me entreguei! 

Em uma consulta com o cardiologista ele me sugeriu a cirurgia bariátrica como uma forma de eu tentar mudar a minha vida. Procurei então informações sobre o assunto e cheguei até a Central da Obesidade. 

No dia 13/08/2014 eu renascia para a vida! Minha cirurgia foi super tranquila, meu pós operatório maravilhoso. Reaprendi a comer e a viver! Hoje, um ano após, recuperei a minha autoestima, minha saúde. Hoje, eu me sinto igual às outras pessoas e não preciso mais me esconder.

Meu nome é CARMEM DOLORES ARAUJO SOUZA. Tenho 1 ano e 1 mês de cirurgia. Antes da cirurgia pesava 98 kg. Hoje, um ano depois, meu peso é de 58 kg. 


3 de out de 2015

Nossos Operados, Nossos Amores

Uma homenagem da Central da Obesidade aos seus pacientes queridos